Saia justa: segundo o prefeito eleito de Curitiba Gustavo Fruet; o PT é um partido dividido.

Istoé -Petistas passaram a atacar o STF, tachando o julgamento de rito sumário. Concorda?
É a única saída deles. Com a condenação do STF, eles não têm a quem recorrer. E isso muda também a discussão sobre o foro privilegiado. Esse ataque ao Supremo não é uma coisa do PT como um todo. O grupo da Gleisi adotou outra postura.

Vejam essas e outra afirmações feitas por Gustavo Fruet em entrevista à ISTOÉ.

Istoé -A presidenta Dilma Rousseff o recebeu há poucos dias no Palácio do Planalto. Sobre o que conversaram?
GUSTAVO FRUET -Falamos muito sobre gestão, especialmente transporte, segurança, saúde e educação. Ela enfatizou que muitas vezes há recursos disponíveis, mas nem sempre as prefeituras apresentam bons projetos. Então, sugeriu que eu capriche na equipe. Disse que foi bom eu começar pela prefeitura e que tenho grande futuro pela frente.

Istoé -Futuro no PDT ou no PT?
Não entramos nesse detalhe. Até contei um pouco do cenário partidário no Estado, mas a conversa ficou focada na gestão. A intenção dela foi me incentivar.

Istoé -Como o sr. classificaria sua campanha para a prefeitura?
Foi uma campanha de superação. Aprendi várias coisas, como a distância enorme que existe entre a política local e a nacional. Fiquei em Curitiba 18 meses sem retornar a Brasília. Foi uma reeducação. É um erro associar o resultado municipal com a campanha presidencial. Se a gente fica muito voltado para a política nacional, quando volta para a local é chocante.

Istoé -O que é mais chocante?
Não há a mínima identidade ideológica e doutrinária entre os partidos. Vivi em Curitiba um exemplo prático. Quando cheguei aqui, descobri que o PSDB local não tinha qualquer comprometimento com o projeto nacional, queria apenas estar com o governo a qualquer preço.

Istoé -Sua ida para o PDT também foi interpretada como oportunista.
Eu não tinha muita opção e precisava criar uma alternativa. Esse grupo que dava suporte ao PSDB controlava todos os partidos. Numa das últimas conversas que tive aqui, o João Claudio Derosso, que controlava a legenda com mão de ferro, me disse que se eu saísse só teria o PDT ou o PT. Como eu tinha um histórico de aliança com o Osmar Dias (senador do Paraná por dois mandatos consecutivos), optei pelo PDT. Não foi uma decisão meramente pragmática, pois há identidade.

Istoé -E como se deu a construção da aliança com o PT?
O PT passou primeiro por um processo de disputa interna. O grupo da Gleisi Hoffmann e do Paulo Bernardo ganhou a convenção para fazer a coligação, mas perdeu na indicação da candidata à vice-prefeita. Quem ganhou foi o grupo oposto dentro do PT, o que legitimou a coligação.

Istoé -Há sete anos, quando o sr. estava no PSDB, essa parceria era inimaginável.
Digo que cada um é guardião de sua história e de suas convicções. Eu preservei todo o trabalho que fiz no Congresso. Essa aliança era programática e local. Prova disso é que não tive a presença do ex-presidente Lula nem da presidenta Dilma no meu palanque.

Istoé -O sr. acredita que o ex-presidente Lula guarda mágoa da época da CPI?
O Lula é muito pragmático, mas é fato que ele só gravou para a campanha da vice-prefeita e para os candidatos a vereador do PT. É evidente que aquele processo do mensalão deixou sequelas, mas acho que mágoa, não. Nunca ataquei deliberadamente, nunca xinguei.

Istoé -Arrepende-se de ter enfrentado o PT e Lula na ocasião?
Não. Acho que tive uma atitude consequente, o momento exigiu isso. E mesmo hoje mantenho minha postura.

Istoé -O julgamento do mensalão chegou à fase final. Está satisfeito com a condenação do núcleo político?
Acho que falar em satisfação é tripudiar com um fato delicado. O núcleo político foi condenado e com penas altas, o que é um mérito para o Brasil. Vale dizer que o Supremo reconheceu a validade das provas levantadas pela CPI e isso demonstra a correção de nosso trabalho. Estabelece um padrão que vai gerar efeito redobrado de prevenção O julgamento tem caráter educativo.

Istoé -Petistas passaram a atacar o STF, tachando o julgamento de rito sumário. Concorda?
É a única saída deles. Com a condenação do STF, eles não têm a quem recorrer. E isso muda também a discussão sobre o foro privilegiado. Esse ataque ao Supremo não é uma coisa do PT como um todo. O grupo da Gleisi adotou outra postura.

Istoé – Quer dizer que o PT da Gleisi é diferente do PT do Dirceu?
O PT da Gleisi adotou uma postura diferente, inclusive em relação a esse episódio. Esse PT não vai brigar com o Supremo, não vai brigar com os fatos. De alguma maneira, avaliou que precisa absorver isso e pensar para a frente.

Istoé -Sua aliança com a Gleisi significa apoio à candidatura dela para o governo do Estado em 2014?
Esse é um processo natural. Apesar de o PT ter sido derrotado em várias cidades do Paraná, é preciso lidar com essa nova correlação de forças. Então, esse é o caminho. No entanto, acho um erro querer projetar o cenário eleitoral de 2014. É precipitado.

Istoé -A ausência de Lula e Dilma no palanque o prejudicou?
Como disse, foi uma eleição local, sem a presença de figuras nacionais. A exceção foi a ministra Gleisi, que é do Paraná, e do senador Cristovam Buarque e da Marina Silva, que veio na última semana, quando eu ainda estava atrás nas pesquisas. Essa campanha derrubou vários mitos.

Istoé -Quais?
Tamanho da coligação e tempo de tevê não garantem a vitória. Ter mais dinheiro também não. E até as pesquisas de intenção de voto podem não refletir a realidade. No primeiro turno, faltavam recursos, eu tinha menos tempo de televisão que o prefeito e aparecia atrás nas pesquisas. Mesmo assim ganhei.

Istoé -Quando o sr. esteve com Lula em junho, conversaram sobre o julgamento do mensalão?
Sim. Ele não entendia como o José Dirceu poderia ser condenado se o Roberto Jefferson falava que não tinha provas. Eu dei minha versão, lembrei que Dirceu também foi cassado por votos de pessoas de dentro do governo e havia uma disputa interna.

Istoé -O temor de ser vinculado à corrupção que combate fez com que evitasse a presença do ex-ministro do Trabalho Carlos Lupi, presidente do PDT, em sua campanha?
Não escondi o Lupi. Ele veio para cá, foi objetivo, fez uma doação de R$ 100 mil do PDT e se colocou à disposição. Ele disse que não queria atrapalhar a eleição.

Istoé -O sr. tomou precauções para evitar o caixa 2 na campanha?
Tomei cuidado redobrado. Reuni a equipe e disse ‘só eu arrecado, só eu autorizo despesa’. É um negócio muito sério. Às vezes, pode ser uma coisa pequena de alguém pedir doação em nome do candidato, mas lá na frente pode dar problema.

Istoé -Numa campanha municipal é mais fácil controlar o caixa?
Sem dúvida. Você tem no máximo 30 financiadores. Mas também não é fácil, pois muita gente quer ajudar sem aparecer. Houve um caso de um supermercado que doou R$ 300 mil para o prefeito Luciano Ducci (atual prefeito de Curitiba). Daí as campanhas adversárias passaram a acusá-lo de receber benefícios da prefeitura. Ele acabou doando mais R$ 50 mil para cada um dos demais candidatos. As pessoas ficam com medo da exposição. A saída é fazer a doação p

Istoé -O sr. esteve no PSDB por sete anos. Como avalia a situação do partido e da oposição hoje após derrota de José Serra em São Paulo?
Todos os partidos precisam de renovação, mas não é fácil fazer isso. O PSDB nacional sempre foi solidário comigo, mas aqui eles não quiseram brigar com o governador. É muito difícil oxigenar a organização partidária. O PSDB tem bons quadros, mas vive em brigas internas. É refém dessa lógica e não encontrou mecanismos para resolver isso. Ser oposição no Brasil também não é nada fácil. No País, há uma cultura de adesão ao poder.

Istoé -Por sua experiência na oposição, qual o caminho para ela voltar a ser governo?
Não sei se no curto prazo, mas tem que ter projeto. Se não tiver clareza, não tem sucesso. É um erro a oposição imaginar que vai ganhar só no desgaste do governo. O eleitor deu sinal agora de que está em busca de alternativas. Mas isso não se constrói numa campanha. As lideranças de alguns partidos têm que estar na rua já. Não digo fazendo passeata, mas tomando posição. Tem que ter clareza. tomar lado, ter bandeira, discurso definido, lideranças definidas. O PSDB deveria ter agido antes, não deixar para definir só no ano eleitoral. E é um erro ficar apostando na tragédia do governo.

Resta perguntar ao prefeito eleito, quem mais no PT além da ministra do governo Dilma, Gleisi Hoffmann bate palmas para o resultado do “julgamento de exceção” segundo o deputado Pedro Henry (PP-MT)

Anúncios
Esse post foi publicado em Sem categoria. Bookmark o link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s